Mini-RPGs baseados em Apocalypse World/Dungeon World em “Mecenato Digital”

paetronise-this-and-help-hack-the-world

Depois de impelido pelo atrevimento de alguns criadores de “jogos narrativos” da nossa praça queria partilhar aqui a minha iniciativa para a criação de mini-RPGs baseados na filosofia de jogos e regras do Apocalypse World/Dungeon World (e no seguimento no trabalho que tenho desenvolvido na linha do Mundo de Masmorras) por intermédio da plataforma de “mecenato digital” do Patreon.

Espero que gostem e que se quiserem apoiem ou divulguem à vontade. 🙂

Se tiverem curiosidade de como este processo funciona por favor comentem que responderei com agrado.

Mundo de Masmorras – versão minimalista do Dungeon World

Capa do Mundo de Masmorras

O que começou por ser uma vontade súbita de traduzir o “World of Dungeons” do John Harper, uma versão minimalista do RPG de fantasia medieval Dungeon World do Sage LaTorra e Adam Koebel (ele próprio uma adaptação Apocalypse World do Vicent Baker para um universo Dungeons & Dragons!), transformou-se neste “Mundo de Masmorras” que é si uma espécie de tradução/expansão/remistura/adaptação do original.

Com a ajuda mais que generosa do Julio Matos do ZK Studio conseguimos tornar realidade esta ideia em tempo recorde e torná-la num espécie de “RPG Expresso de Fantasia Medieval” como o Marcos Silva do maisRPG o tão prontamente batizou. Por outro lado ele até funciona como uma espécie de introdução ao Dungeon World (prestes  a ser lançado em português pela Secular Games) pois tem em essência algumas das suas ideias mais distintas.

De qualquer modo este é um pequeno documento de 12 páginas formato A5 o que permite que se o possa usar de improviso ou imprimir-se uma cópia para todos os jogadores à mesa e assim o usarem até como folha de personagem.

Folha de Personagem do Mundo de Masmorras

Podem descarregá-lo numa versão a cores ou a preto e branco.

Se vos aprouver, leiam-no, usem-no, alterem-no, reescrevam-no mas principalmente aventurem-se nos seus mistérios e tragam de volta convosco um belo saque… pois “o que interesse mesmo é o saque”. 🙂